segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Onze de Setembro

Depois do dia 11 ter passado a praticamente 24 horas (um pouco menos até o momento), darei minha opinião sobre o fato, dez anos depois do ocorrido e depois de dez anos pensando sobre o assunto.

O fato é que minha opinião sobre a importância do acontecimento e o que vem por trás disso, por mais absurda, sensacionalista e/ou conspiratória que seja esta minha opinião, uma coisa é fato: os fins não justificaram os meios. Vou tentar explicar.

Primeiro a minha opinião sobre o que foi esse 11 de Setembro.
Em 2001 o mundo estava na eminência de uma crise financeira, principalmente naquela região ao norte da América... enfim, logo depois deste acontecimento no coração financeiro dos EUA, parece que as coisas melhoraram... OK, só adiou a crise, que veio "feia" entre fim de 2008 e início de 2010.
Não consigo entender toda a maldade envolvida no assunto, pois se minha opinião é, em parte, verdadeira, houve uma ligação entre os ocorridos com esta súbita melhoria na economia. Quem ganhou com isso? Todos, exceto os que morreram, claro.

Segundo, agora, o que realmente eu quis dizer com "Os fins não justificaram os meios".
Quantas pessoas morreram no ataque? Duvido que mais pessoas que morreram no Afeganistão, no Iraque, no tal "combate ao terrorismo". Engraçado é combater terror com terror, num mundo onde o Grande Mestre Gandhi ensinou que não precisamos vencer uma batalha com armas, bombas, minas ou soldados, e sim com amor, paz, conversa e compreensão.

Agora pergunto ainda: já se passaram dez anos, o "responsável" já foi calado (será?) no início do ano, quem morreu, já se foi e quem precisou ganhar medalha de herói já ganhou (inclusive os sobreviventes já devem até ter acabado as terapias com psicólogos), por que não esquecem deste assunto? Por que não viram a página e acabam com as barreiras e preconceitos com as diferentes etnias, raças, povos?

Espero não ouvir mais sobre este assunto, a não ser que seja um exemplo bom tirado deste ocorrido, como o caso de uma viúva que criou uma ONG para ajudar as viúvas afegãs. Aí sim seria válida uma breve lembrança.

"Ouço o que todos me dizem, mas só escuto o que é bom. Todo ser humano tem a capacidade de ver algo de bom em qualquer ocasião, basta ter otimismo e querer. Afinal, entre o copo meio cheio ou meio vazio, prefiro o copo todo cheio."

Um comentário:

Andarilho disse...

Admito que abandonei qualquer especulação sobre o que ocorreu no fatídico décimo primeiro dia do nono mês de 2001. Uma coisa é fato: foi ruim, extremamente negativo, ainda mais por ter beneficiado alguns poucos que se aproveitaram da situação, de um jeito ou de outro.

O importante é viver no presente, perceber as coisas boas que aqui temos e construir um futuro melhor, onde não ocorra esse tipo de coisa.