segunda-feira, 15 de julho de 2013

O mundo é meu, é seu, é nosso


O coitado do blog sempre é prejudicado pela falta de tempo, paciência ou organização de seu dono, costumeiramente conhecido por "blogueiro", não posso nem consigo prometer novamente 1 postagem por mês, pelo menos, mas prometo sempre tentar. Mas vamos lá. 


Essa onda de manifestações ao longo do Brasil foi no mínimo importante no sentido de mexer um pouco com as pessoas que estavam na inércia política¹ há muito tempo ou aquelas que colocavam em tempos remotos de Orkut, no campo posição política, "Apolítico". Meu caso é o segundo. 
Sendo o segundo caso o qual me encaixo, já digo de antemão: Não tem como ser Apolítico. Uma pessoa apolitizada sugere que seu país seja governado por uma monarquia, ou uma ditadura militar beirando o fascismo. Sim, porque só pelo fato da pessoa se dizer fora de qualquer discussão política já conclui-se que esta diz ao governante: "Faça o que quiser, eu não vou me meter". 
Sim, algo que eu ainda sou e que qualquer um pode ser é Apartidário. Mas tem muita diferença... Podemos ser apartidários sem ser apolíticos. E aí que vem o "causo" dessas manifestações e reforma política. 
É muito importante quem tenha partido que defenda-o, inclusive nesse tempo de manifestações. Porém os apartidários também tem vez. Quem sabe a hora agora é de procurarmos partidos e pessoas com ideias similares aos nossos? Com certeza encontraremos. Não é preciso se vincular a um partido só, mas é muito importante se vincular a políticos das boas causas, ou melhor dizendo, políticos que defendam a SUA causa, considerando SUA = NOSSA, já que para começar a se politizar, nosso pensamento deve ser geral e não pessoal. 
Outra coisa importante é, como disse meu amigo Augusto (em http://criandometas.blogspot.com) buscar fontes diversas de informação, não ficarmos presos à mídia fácil², ler inclusive textos de pessoas que já te disseram certa vez como sendo pessoas ruins, com pontos de vista errados etc. Lembrem-se do que falei de inércia política? Então, essas pessoas inertes sempre são contra àqueles que querem frear o efeito da Segunda Lei de Newton para a Política. 

E para finalizar, vou apenas finalizar, afinal tem bastante meio midiático bom para que façam as consultas devidas, aqui não é o local, sou um mero blogueiro amador que fala o que pensa, sem muito embasamento teórico, mas com certa razão. 

1 - Inércia política: O ato de se manter alheio aos problemas políticos, o "efeito reeleição", no sentido daqueles que dizem: "Já que já está lá eleito, vamos reeleger!". A inércia política não é apoiar quem está no poder (partido ou pessoa), mas sim mantê-los lá, para evitar mudanças, sendo arriscar não melhorar pelo medo de piorar ainda mais. 
2 - Mídia fácil: Aquele método midiático de informação mais facilitado o possível, canais de TV aberta, por exemplo, que não se precisa nem de antena para funcionar em qualquer lugar do país. Ou aquelas revistas que você é perseguido por "estudantes de publicidade" dentro da Americanas, que te dão 1 ano grátis, mais uma bolsa e um relógio. 

Até!

Um comentário:

Andarilho disse...

*tosse* Nossa, quanta poeira aqui. E achei que o meu estava abandonado.

Gostei do homework sugerido. Realmente são os pontos mais críticos e há muito que se questionar sobre a visão que temos desses lugares. Cuba, por exemplo, já foi assunto de diversas discussões que tive com pessoas que, não importa quantos dados você mostre, continua achando que é tudo forjado e lá é o inferno na Terra. Enfim, as coisas se acertam.