sábado, 25 de abril de 2009

Sinésio foi pescar...

Hoje uma breve postagem, um trecho de um conto que escrevi há um tempo atrás, que como todos os outros, ninguém leu e colocando aqui pelo menos alguém vai ler!

Espero que seja proveitoso!

"Sinésio acordou bem cedo, com pinta de que iria pescar. Afinal, o que mais poderia fazer este homem?
Aguentar a esposa adúltera e reclamona, que só pensa em dinheiro?
Aguentar seu filho que começou com as drogas aos 14 anos, e hoje tem 2 filhos e exige de Sinésio dinheiro para alimentá-los?
Aguentar a filha mais nova, que só quer saber de namorar com malandro e se bobear até grávida está?

Certa foi a filha mais velha de Sinésio! Carla foi pra capital ganhar a vida, estudou, ralou, passou fome mas hoje em dia não aparece mais em casa! Vez ou outra, liga para Sinésio, afinal sabe o quão o pai dela é bom! Mas ser bom não adianta, se a pessoa é boba...

Sinésio então foi pescar...
A pescaria não lhe rendeu muitos peixes, mas foi um bom momento de reflexão.
Ele chegou em casa, já estava escurecendo. Como sempre, entrou com a calma e a tranquilidade que só ele tem. Tirou os sapatos, pois a esposa não gosta que ele suje a cozinha, guardou o equipamento de pesca, nem respirou direito quando a bruaca da esposa dele já começou a papagaiar:
- Ô Sinésio, o dia todo fora? Só porque aposentou não quer dizer que não tenha nada para fazer! O dia todo aqui lavando a roupa, limpando a casa e você aí, bonitão pra rua com as galinhas!

Ele respirou fundo, como sempre, afinal só lhe restava isso... Ele tentou por anos uma vida agradável com a esposa. Levava-a para jantar, dava presentes, mas nunca foi o suficiente.

Depois de alguns minutos, ele foi para o banho e voltou a refletir se era a vida que ele queria até morrer... De jeito nenhum!

Pegou uma mala, arrumou as coisas, pegou seu cofre farto com a poupança que sempre teve e nunca gastou (era para uma urgência, como a deste momento em que ele saia!), e saiu, as últimas palavras que ele disse para a esposa:
- Maria, to saindo. E agora eu não volto não. A casa é sua, os filhos são seus, e os problemas deles também! Se te amava, agora não mais!

E foi Sinésio novamente pescar. Comprou um barquinho, uma casinha lá pras bandas do Nordeste e foi...
Não se sabe se ele morreu, mas a certeza que todos têm é que ele está muito feliz, aonde quer que ele esteja..."

Um comentário:

Andarilho disse...

Bravo!

Muitíssimo belo seu conto. Vida longa ao Sinésio.

Abraços.