quarta-feira, 12 de novembro de 2008

O dia em que deu tudo errado!

Quase pensei que não conseguiria postar no blog, mas consegui! ufa! Prometi para mim mesmo postar pelo menos uma vez por semana, e vou cumprir isso, se nenhuma interpérie me atrapalhar!

Aí vai uma história fictícia, que foi criada por mim hoje num momento "Chico Xavier", rs:

"O dia em que deu tudo errado!"

"Estava sonhando como nunca tinha sonhado antes, e meus dias de um homem de meia-idade e classe média (ou seja, um quarentão pouco sucedido numa empresa privada) estavam um tanto quanto parados. Mas aquele sonho era ótimo!
Até porque sonhei com aquela secretária maravilhosa do meu departamento, estávamos tomando um drink na pousada onde nos hospedamos na festa de final de ano, e ela me convidou para ir ao quarto dela. Quando estava desabotoando sua blusa, minha mulher, aquela megera que não tem mais nenhuma vontade, digamos, na cama, comigo, me acorda com aquela voz ensurdecedora:
- Luciano! Luciano! Já basta ter dormido o final de semana inteiro, vai se atrasar justo hoje que tem reunião importante? Sai da cama!
Quando olho no relógio, estava 30 minutos atrasado!
- Puta merda, Mariana! Por que não me acordou antes?
- Porque você não pediu! Vai! Sai logo!

Levantei, tomei banho, fui tomar um café rápido e derrubei toda a xícara no meu paletó.
- O caramba!

Troquei o paletó, coloquei aquele que parece um pijamão gourmet, mas não tive escolha!

Saí com o carro, nem me lembrando que segunda não transita carro com finais 1 e 2 em São Paulo, e advinha minha placa? FRT-0331! Tive que tomar a paralela da avenida principal, porque não tem guardinha multando.
A rua estava com intenso trânsito, devido a um acidente envolvendo um bêbado e um poste. Ele estava parando o trânsito todo, porque queria pedir perdão à mulher amada: um poste com um "smile" pintado de batom.
- Sai daí, porra! Tenho hora, vagabundo!

Meia hora depois...

Cheguei na empresa, meu chefe estava mais careca do que o normal, até porque ele tinha arrancado fora todo o aplique depois de 1 hora de atraso do seu representante: eu.
- Poxa, Lucianinhô! Onde cê tava, meô?
- Pô "Seu" Lutércio, problemas com o rodízio!
- Cadê a apresentação?
- Nããão!

Depois de meu grito, corri para o carro: o pen drive com toda a apresentação estava no bolso do outro paletó.
Pedi adiamento da reunião para a hora do almoço, mas quando cheguei em casa, Neide, a empregada, já tinha colocado o bendito paletó na máquina de lavar.
Liguei para o meu chefe, que por telefone mesmo me chutou o traseiro.

18h da tarde estava no sofá vendo a novela das seis, quando minha filha de 18 anos chegou:
- Pai, tenho algo difícil para te contar, vou te contar rápido e sair correndo: Estou grávida!
- Não acredito! Não pode ser!

Nisso, minha filha correu para seu quarto.

- Luciano, porque já está em casa?
- Mariana, porque fui demitido!
- Então quero o divórcio, o que me prendia aqui era a estabilidade, você não me faz mais mulher!

Essa notícia não era ruim, de fato, mas não era bom pensar que o próximo emprego teria que dar pelo menos 30% do salário para aquela megera.
Deitado no sofá, desesperado, pensei:
- O que mais podia ser pior para acabar meu dia?

Foi quando meu amado filho apareceu, feliz da vida, querendo me dizer algo importante:
- Pai, tenho algo a te dizer, que estou orgulhoso em te contar: Sou gay!

...

Luciano Martins de Souza, teve um infarto fulminante no dia citado acima, mesmo tendo seu coração em perfeito estado, não sofrer de nenhum mal cardíaco."

Um comentário:

Andarilho disse...

Que história ironicamente deprimente. Bom saber que é fictícia.